sexta-feira, 18 de julho de 2008

Instinto

Olhos verdes
jade e preto
Guarda-me, gato
anjo em pêlo
rajado

instinto e candura
nada sabe
da morte
- a risada

Músculos relaxados
abana o rabo
boceja enfado

discurso mudo
pede-me colo
carícia
toda ternura

Meu jaguar domesticado!

Perdida e sem palavra
no quarto
desgarrada
mostra-me o caminho.

Seu sorriso é sílaba
seu ronron é sorte?

7 comentários:

Guto Leite disse...

Tenho gostado muito de suas investidas no campo da poesia, Béa! Alguns poucos versos me soaram muito diretos, mas tudo no bom tom de quem tem algo a dizer!
Beijos, querida

Márcia(clarinha) disse...

Sorte roçar nas pernas
Tédio no bocejo anunciado

lindo dia flor
beijos

marilia disse...

ADOREI.
Inadmissível qualquer modificação.
E adoro gatos (que não podem conviver comigo, por causa da alergia).

Anne Baylor disse...

Nhum..
Quem ama os gatos,
ama mesmo..
Sorte seja então...

beijOS.

Mara faturi disse...

Lindo...meu sorriso agora é todo exclamação...compulsivamente suspiro pelo poema, pelo ronron...Amo os felinos; interessante, neste exato momento em que te escrevo, Manu ( uma de minhas gatas, sobe no meu colo e ronrona)...animais mágicos,sensíveis e poéticos, por certo...
grande bjo, muitos rons rons;)

compulsão diária disse...

Guto, obrigada pela leitura. Mas, poxa, aponta os versos. Eu quero exatamente isso. Você sempre cuidadoso comigo tem toda a liberdade. é experimento, tudo liberado. Vamos, Guto. Avanti!tutti baci

Marcia, salve, Obrigada. beijo

Anne Baylor, que bom . Sorte!

Mara, adoro seu texto. Agora, então, ao saber que Manu anda entre eles estarei ainda mais compulsiva pelo Per_Tempus. tutti baci.

Mara faturi disse...

Grazie bella,
então...falando em Manu, tem foto dela lá, com poema novo;)
baci blu!