sábado, 15 de novembro de 2008

Dry Martini



Passos de pressa
Encerram o abraço
Do dia com a praça
E passantes tropeçam
Nos dejetos da tarde
Laçados no mesmo desejo,
Satisfazer, sem medo, a sanha
Na calçada desse crepúsculo
Cúmplice e sedutor da diva
Vestida de preto e segredo,
Sátira e algoz da lucidez
A noite, antes de descer sobre a cidade
Assopra a seda da moça
E faz supor força doce
No viço do garçom
Que lhe serve taças sôfregas
De martini seco gelado sem gelo

Um comentário:

Olhos de Folha Minha disse...

Dry Martini, ergo uma taça aqui CD, cada vez mais sem pedras...fresco Cintia