quarta-feira, 1 de abril de 2009

Fantasmas

Celeste valsa de almas
Entre nimbos e estrelas
Vagueiam soltas caravelas
Quimeras barcas fantasmas
No caminho iluminado
Pelos lumes piscantes astrais

Espectros nítidos à luz
Dançam ao som de ninfas
As flores mudas e fadas
Sobre as cabeças e ombros
Que carregam Atlas nas costas

À guiza de sombra
Goza de cara assustada
A luz que guia os mortos.
Fala alto em sussurro
Aos ouvidos moucos
Roucos grunhidos perdidos

Presente e passado passeiam
Ante os olhos e por trás
Escondendo-se nas vontades,
Absortas em choros,
Gargalhando às escuras
No assombro da vida,
Estrada perdida no éter.


©Marcos Pontes
MyFreeCopyright.com Registered & Protected

2 comentários:

Compulsão Diária disse...

Nossa!Se todos os fantasmas fossem belos e alucinantemente sonoros, envolventes assim, eu viveria enfeitiçada sem culpa. Poema ópio. De fazer voar, floanar, andar na pata de um gato e adormecer deitada na ponta inferior da lua !
O poema vem avassalando o leitor´lá do começo e ao final o solta no éter. Poesia de mestre!

Elcio disse...

Gosto do concretismo, embora seja meu calo qdo me atrevo a peregrinar por suas aguas.


Acho q dizer q gostei seria redundancia neh? rss

É isso aí.

Em tempo, n vá pelo blog q o blogger te dicerionara ok?

Vale é esse endereço:
http://www.instantes.blogger.com.br/index.html