terça-feira, 28 de abril de 2009

Vento

O vento gruda na pele
E não sai com água ou vento
Enreda-se nos pelos
Envolve-se entre as pernas
Nina-se nos braços
Não se desfaz o vento

Brisa grossa como água
Cola nas costas
E se arrasta com o corpo
Em dança e andar
Ladeira e escada
Rua e banho
Não desemplastra-se o vento

Como gadanho agarra
Não deixa solto o vento
Que acompanha e guia
Dando voltas sobre si
Levando e trazendo sonhos
Arrastando e voando almas
Viaja preso o vento

©Marcos Pontes
MyFreeCopyright.com Registered & Protected

Um comentário:

Compulsão Diária disse...

Vento louco..sirrocco?
Há ventos assim...larga, solta esse vento.
Gostei do poema. Imaginar um vento que se prende