domingo, 16 de maio de 2010

Varanda

 

A varandinha é urbana,

Mas é minha e dela,

Minha dona mundana,

Senhora e amante,

Fortaleza e cidadela,

Varandinha baiana.

 

Já vejo a rede colorida

De varanda de renda

Pra preguiça adormecida

Num domingo diário

Onde a tarde se estenda

Dentro da casa florida

 

Casinha e varanda de dois

Abertas pra muitos mais

Ontem, agora e depois

Na preguiça da conversa

Onde até briga é de paz.

Se chegue, amigo, pois.

 

Já nós dois velhinhos

Nessa varanda sentaremos

Fecharemos os olhinhos

Num suspiro de adeus

Da vida já nos extremos

Da varanda despedimos.

3 comentários:

Bea - Compulsão Diária disse...

Por isso eu me casei com você! Você veio com varanda eterna

Joe_Brazuca disse...

acredita (sem demagogia...menhuma...) que marejou-me os olhos ?...

voces merecem a vida eterna, seus varandeiros !...rs

(vem cá : tem uma redinha ai num cantinho pequeno, pra mó di acatar um viajeiro menestrel errante, por uma dia e uma noite, seu cavalo e berrante ?...rs)

beijo pro6 2

Joe

Joe_Brazuca disse...

(acabei de postar mas num sei se foi)...disse mais ou menos isso :

que marejou-me os olhos ( sem demagogia...)

e que voces merecem a vida eterna, "seus varandeiros"...rs


e perguntei assim : tem uma redinha ai num cantinho pequeno, pra mó di ascentar por um dia e uma noite, um menestrel errante, seu cavalo e berrante ?...rs

beijo por6 2