segunda-feira, 26 de julho de 2010

A estrada

Não se espera a caça cair
Caça-se

          Sibila a seta
          Acerta o alvo

Busca-se a certeza do acerto
Sem se esperar o milagre.
Faz-se o caminho
Pedras não se nivelam sozinhas
          A estrada não nasce
          É construída no suor.
          Pode ser forte e torpe
          Reta, precisa, plana
          À feição das mãos que traçam

Picada aberta em mata
Via larga com horizonte
Pinguela estreita sem fim
Avenida de quatro vias
Arte, trabalho e traço
Sem acaso
        
          Não é presente o caminho
          É obra e ciência
          Labuta, sangue e foco


©Marcos Pontes

MyFreeCopyright.com Registered & Protected/left>

5 comentários:

Bea - Compulsão Diária disse...

Poema belo mas não seria possível sem a graça de Deus. Deus inspira, Marcos. E não permanece entre os que não trabalham. Transcenda, querido. Trancenda. Esqueceu da ação salvífica de Deus?

MARIANINA disse...

PARABENS!!! BELA PRODUÇÃO ARTISTICA. UMA HONRA LER SUA BRA. SUCESSO!!

Douglas Luvizan disse...

Falou e disse, man! Gostei!

Cibele disse...

Bela poesia, bela Estrada!
Todos os seus poemas são belos, mas a "Estrada" com sua "pinguela" me lançou na minha infância. Parabéns! Uma observação (honrosa): Seus poemas me fez lembrar um pouco o estilo do poeta Soares Feitosa. Bjos

Anônimo disse...

Inspirador! A estrada da vida mestre, com suas lutas diárias. "Labuta, sangue e FOCO"!! Vamos desbravando nossas estradas.
Parabéns!