quarta-feira, 30 de julho de 2008

Pergunta-5

- concha acústica para o silêncio-
a madrugada ampla traz
frio e eco

você penetra
aquece
minha respiração insone

Vigoroso
depois do sonho
você me atrai para fora
do sono

demarca o lago
assopra poesia
Esquece
a morte do cisne

Semblante frágil
disfarça o pulso viril
enlaça meu colo

cerca nossas bocas

todo meu corpo
oscila neste canto
- poema e cama -

calmo e vago
louco e vasto
som e abrigo

armadilha absoluta

atônita recebo sua gula
- toda, tanta e tonta -
esfola e imola meus orgãos

gruta
fértil de anjos
varados de prazer

seus ossos de homem
contra os meus
de súbito recuam do ato

- Quer me ver?!

nesse hiato penetra
claridade de céu
que lhe ofereço
desta face
a dúvida

Nós?! Dois
sorrisos lights
desatamos línguas
deslindamos versos

Mal rompe a manhã
lutamos corpo a corpo
com as sobras

das palavras
refazemos
encantos desfeitos

Você, poeta, risca
na brisa edifica
o projeto

Aprendiz, construo
lentamente
solto o tema na carne
sorvo o ponto

Todo o tempo
no seu corpo
há muito tempo

Um comentário:

Minina disse...

fiqei pensando aqi se:

versos longos desaceleram o ritmo?