sexta-feira, 8 de maio de 2009

Sina

KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

O dedo indicador,

Trapaceiro, brinca

Enroscado no cabelo

Tem sido ele o inimigo afiado

Da mão esquerda enervada

Por fábula sem fada nem fala

É dedo, é garra aferrados à palavra

Até que o sino da meia-noite toque

Não há sinos, aqui

São quatro e dez . Escuto o galo insone

© Compulsão Diária

MyFreeCopyright.com Registered & Protected

Um comentário:

Compulsão Diária disse...

O dedo indicardor é faca afiada, entregador, mas também aquele que escolhe o caminho certo. O poema é muito bom, de verdade. Tem linguagem poética e um contexto escondido que pede pela atenção do leitor/intérprete.